Entrar na lista de espera Deixe seu e-mail válido abaixo para que possamos avisá-lo quando o produto estiver disponível para venda.
E-mail Quantidade Não compartilharemos seu endereço com ninguém.
Fernando Pessoa

Fernando Pessoa

Fernando António Nogueira Pessoa nasceu em 13 de junho de 1888, no dia de Santo António de Lisboa, cujo nome de batismo era Fernando, sendo esta a origem de seu nome. Seu pai, o funcionário público Joaquim de Seabra Pessoa, faleceu quando Fernando tinha 5 anos. Seu irmão Jorge morreria no início de 1894, antes do primeiro aniversário.

Tendo sua mãe, Maria Magdalena Pinheiro Nogueira Pessoa, se casado com o comandante João Miguel Rosa, a família se mudou em 1896 para Durban, África do Sul, onde Fernando é educado na literatura inglesa e demonstra especial habilidade na escrita em prosa e em verso.

Sua obra poética é conhecida por seus numerosos pseudônimos, heterônimos e semi-heterônimos. Em um levantamento de 1966, Lopez elencou 18 nomes. Ao longo das décadas, esta contagem se ampliou para 21, 72, 83, chegando a 123 nomes segundo os amplos critérios de Cavalcanti Filho.

Dentre todos os nomes, diferencia-se o trabalho de Fernando Pessoa assinado com seu próprio nome como “ortônimo”, uma obra profundamente influenciada por doutrinas religiosas e pelas sociedades secretas. Em 1916, Fernando traduziu A Voz do Silêncio, de Helena Petrovna Blavatsky. Pouco depois, traduziu o poema Hino a Pã, do ocultista inglês Aleister Crowley.

Lendo uma publicação astrológica de Crowley, encontrou alguns erros em um horóscopo e escreveu-lhe para o corrigir. Crowley, impressionado com o conhecimento do poeta e interessado em viajar, foi a Portugal conhecê-lo, junto com a maga alemã Hanni Larissa Jaeger. Nesta ocasião, Crowley simulou seu suicídio na Boca do Inferno, atraindo várias polícias europeias e a atenção da imprensa, tudo em conluio com Pessoa.

Fernando tinha o hábito de fazer consultas astrológicas para si mesmo, tendo traçado mais de mil horóscopos, incluindo os mapas natais de seus heterônimos principais – Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Alberto Caeiro. Em um texto de 1917, Fernando Pessoa apresenta sua visão sobre o neopaganismo:

Como [os neoplatónicos da Alexandria] creio, e absolutamente creio, nos Deuses, na sua agência e na sua existência real e materialmente superior. Como eles creio nos semi-deuses, os homens (…) porque, como disse Píndaro, «a raça dos deuses e dos homens é uma só». Como eles creio que acima de tudo, pessoa impassível, causa imóvel e convicta [?], paira o Destino, superior ao bem e ao mal, estranho à Beleza e à Fealdade, além da Verdade e da Mentira. Mas não creio que entre o Destino e os Deuses haja só o oceano turvo […] o céu mudo da Noite eterna. Creio, como os neoplatónicos, no Intermediário Intelectual, Logos na linguagem dos filósofos, Cristo (depois) na mitologia cristã.

Seu interesse pela Maçonaria e pela Ordem Rosa-Cruz o levou a defender publicamente estas sociedades na edição de 4 de fevereiro de 1935 d’O Diário de Lisboa contra ataques da ditadura do Estado Novo. Diversos de seus poemas trazem referências a seus estudos esotéricos:

Que símbolo divino / Traz o dia já visto? / Na Cruz, que é o Destino, / A Rosa, que é o Cristo – O Encoberto

Por fim, na funda caverna / Os Deuses despem-te mais: / Teu corpo cessa, alma externa, / Mas vês que são teus iguais – Iniciação

Em sua Nota Biográfica, de 30 de março de 1935, Fernando Pessoa declara:

Posição religiosa: Cristão gnóstico, e portanto inteiramente oposto a todas as Igrejas organizadas, e sobretudo à Igreja de Roma. Fiel, por motivos que mais diante estão implícitos, à Tradição Secreta do Cristianismo, que tem íntimas relações com a Tradição Secreta em Israel (a Santa Kabbalah) e com a essência oculta da Maçonaria.

Posição iniciática: Iniciado, por comunicação directa de Mestre a Discípulo, nos três graus menores da (aparentemente extinta) Ordem Templária de Portugal.

Resumo de estas últimas considerações: Ter sempre na memória o mártir Jacques de Molay, grão-mestre dos Templários, e combater, sempre e em toda a parte, os seus três assassinos—a Ignorância, o Fanatismo e a Tirania.

  • Compartilhe em:
  • /
  • /
  • /
© 2020 Arcanum Editora